Rokaz Trip no Yosemite

O Parque Nacional do Yosemite foi fundado em 1890, é um dos parques nacionais mais antigos do mundo. Ele protege milhares de kilômetros quadrados de florestas e de montanhas selvagens na Califórnia.
Para os 4 milhões de turistas por ano que visitam o Yosemite, o parque tem uma beleza natural muito impressionante, com paredes verticais de 1000 metros de altura e árvores de mais de 10 metros de diâmetro.
Para os escaladores, o Yosemite é a Mecca. Qualquer escalador que gosta de escalar paredão tem como sonho escalar um dia no Yosemite. Os paredões do Yosemite são únicos no mundo: imaginem um vale plano, com um rio azul verde lindíssimo, uma grama perfeita, e dezenas de paredes verticais de 500 a 1000 metros de altura de cada lado do vale. Assim é o vale do Yosemite.




Os paredões aqui chamam-se "big walls". Um big wall é um paredão tão alto que não é possível escalar em um dia. Tem que ficar escalando vários dias e dormindo num "portaledge", uma cama suspensa na parede.

Os dois big walls mais famosos do Yosemite são "El Capitan" e o "Half Dome". El capitan é o big wall mais impressionante, quase um kilômetro de altura, vertical ou negativo:



O Half Dome é o mais lindo. Ele domina o vale do Yosemite com seus 2700 metros de altitude e tem uma forma de meio globo completamente surreal. O big wall é a face cortada e vertical do globo obviamente:





Já fui no Yosemite 7 anos atrás, mas sem material de escalada. Fiquei 7 anos sonhando em voltar um dia, com minha corda e minhas sapatilhas... E chegou 2008, o ano de realização dos meus sonhos!
Cheguei em San Francisco uma semana atrás, encontrei com um amigo francês, Cédric, no aeroporto, alugamos um carro, tiramos uma foto da Golden Gate Bridge (o "Corcovado" de San Francisco), e fomos direito para o Yosemite...

Cédric e eu:



Meu patrocinador oficial...



No Yosemite, os escaladores do mundo inteiro encontram-se num acampamento chamado Camp 4. O lugar não é particularmente bonito ou barato, é bastante sujo (nem tem chuveiro para tomar banho, tomamos banho de rio!) mais o Camp 4 virou uma tradição: se você vai ao Yosemite para escalar, você vai ao Camp 4 para encontrar outros escaladores.




Aqui encontrei por acaso amigos da França, da Bélgica e do Brasil (o Hugo, slackliner do Rio, o Eduardo, route-setter de São Paulo, e a Juliana, escaladora forte de Floripa que está morando aqui agora). Todo mundo troca idéia com todo mundo, betas sobre as vias, o tempo, o material... Entre os escaladores não tem fronteiras, todos tem a mesma paixão e a mesma linguagem, a linguagem da escalada.

Quando chegamos, o Camp 4 estava lotado. Para conseguir uma vaga, enfrentamos nos dois primeiros dias uma fila a partir das 4 da manhã, com sacos de dormir!! Estou no meio dessa foto, dormindo ainda...

No primeiro dia conseguimos uma vaga para um dia só. Tinhamos chegado as 6 da manhã na fila, muito tarde...



O vale do Yosemite poderia ser um paraíso para os escaladores se não tivesse duas coisas que nunca deixam eles em paz: os Rangers, e os ursos.
Os Rangers são os guarda-parques do Yosemite. No Yosemite não tem ladrões, mas tem dezenas de rangers que são equipados com as mesmas armas, os mesmos carros gigantes que os policiais de Los Angeles ou de Nova York. Para qualquer coisa que um escalador quer fazer no parque, para entrar no parque, escalar um big wall, dormir no Camp 4 ou fazer uma trilha de vários dias, ele precisa de pedir uma permissão oficial aos rangers. Se o turista ou o escalador não conseguiu ou perdeu a permissão dele, se ele dormiu no Camp 4 sem permissão ou dentro do carro (que é sempre proibido), ele receberá uma multa altíssima! Em uma semana já vi duas vezes rangers algemando escaladores no Camp 4 porque não tinham pago...

O segundo problema chama-se aqui "wild bear" (olhem a foto da placa do Camp 4 em cima). No vale do Yosemite tem dezenas de ursos que acham muito mais fácil de roubar nossa comida que caçar veados ou colher frutos. Por isso não se pode deixar nada de comestível dentro do carro ou na barraca. Os ursos são muito fortes e inteligentes. Por uma bala ou uma fruta esquecida no carro, um urso pode abrir com as unhas em 5 segundos as portas ou mesmo a porta mala! Para guardar a comida, tem-se que usar caixas de aço super solidas que os funcionários do parque colocaram nos acampamentos. Por isso não tem jeito de dormir fora dos acampamentos legais. Se você não tiver vaga no Camp 4, não pode dormir escondido no meio da floresta...

Tomando banho num dos rios super agradáveis do parque, longe dos Rangers, perto dos ursos:








No Yosemite um escalador de décimo grau que só tem experiência em calcário volta a ser um quase-iniciante no granito do vale. Aqui não tem buracos ou reglettes, tem fendas. Não tem chapeletas, tem 5 kilos de moveis na cadeirinha para proteger-se. Ficamos então cinco dias treinando, escalando vias de quinto grau de uma a 15 enfiadas. Quatro dias para acostumar-se a colocar os moveis, a praticar os entalhamentos de mão, de pé, de punho, de braço, de corpo, e de ... cabeça!!



O terceiro dia escalamos "Serenity Crack", uma via de 8 enfiadas em 5.10d (sexto grau brasileiro) ultra classica. A via segue uma unica fenda do inicio até o final, uma fenda pura, linda. Eu escalando a primeira enfiada:











E o Cédric:



No crux da via:




E guiando uma enfiada de quinto grau:



O "off-width" (fenda larga) da ultima enfiada, olhem a peça de movel (Cam DMM numero 3):





O quarto dia, para mudar de estilo, escalamos uma via positiva de 7 enfiadas, sem fenda, "Snake Dike", de quinto grau. Trabalhamos o lado mental da escalada, pois a via tinha uma chapeleta a cada quinze ou vinte metros...






Chegando no topo da via, com o visual maravilhoso do planalto do Yosemite:





No Yosemite, alguns paredões como El Capitan ficam a cinco minutos do carro, outros como o Half Dome precisam de 3 horas de caminhada árdua para chegar à base. Um dia para chegar ao inicio da nossa via, caminhando numa floresta de árvores de 30 a 40 metros de altura, encontramos um ursinho brincando no chão. Falei para o Cedric: "Olhe ali, que bonitinho, um ursinho!!" Me aproximei um pouco para tirar uma foto, mas de repente escutei um barulho estranho. A mãe estava a 5 metros de mim, escondida na sombra, me olhando de um jeito que não era nada simpático. Parei de respirar, a ursa era muito maior que eu. Andei para trás devagar sem olhar o ursinho, e a ursa com os dois filhotes foram embora tranquilamente. Que alivio... Tirei uma foto quando eles estavam um pouco mais longe de nós...





Depois de cinco dias de "aclimatação", nos sentimos prontos para nosso primeiro big wall, o Half Dome!
A aproximação, três horas de "escalacaminhada" foi bastante difícil com as mochilas super pesadas e o calor de meio dia:




A via clássica do Half Dome tem 23 enfiadas entre 5.8 e 5.12d (quinto grau a 9a brasileiro). Geralmente a escalada demora dois ou três dias carregando o material e a comida para dormir na parede. Mas escolhamos outra estratégia: escalar muito leve para tentar de escalar o paredão em um dia só. Era um pouco arriscado, porque passar uma noite suspendido a dois grampos sem água, nem comida, sem roupas quentes e a 2700 metros de altitude, não tem nada de confortável!

Chegando no pé do big wall, a parede é realmente muito impressionante: 750 metros verticais na esquerda, e completamente negativos na direita (a parte branca). A via fica na parte cinza da esquerda felizmente:



No bivaque a noite:



Começamos a escalar às 6 da manhã no escuro. Tinha milhares de estrelas, o dia ia ser bonito. A primeira parte da escalada não era completamente vertical. Mas na quarta enfiada, já tinha lances de sétimo brasileiro para acordar. Conseguimos manter o ritmo rápido.







Nesse tipo de escalada, os lances mais difíceis não são sempre os lances com o grau mais elevado. Um dos lances que achei o mais difícil foi uma chaminé super exposta de quinto grau. Do mesmo estilo que a Agulha do Diabo ou a via Leste no Pico Maior de Salinas...



Durante a escalada, eu vi um pontinho preto em baixo da via perto das nossa coisas mas não prestei muita atenção porque a escalada era intensa.

No meio da via, ultrapassamos uma dupla de irlandeses que demoraram três dias para escalar a via. Perdemos um pouco de tempo para ultrapassá-los, mas ainda estávamos otimistas, tinha grande chance de acabar a via em um dia só.

As 4 da tarde, escalamos uma das enfiadas "crux" da via. Uma fenda perfeita, vertical e muita estreita, de 5.12b (8b brasileiro). Não consegui encadenar ela em livre, meus braços já estavam bastante doces depois de 17 enfiadas de escalada...



Tinha dois obstáculos ainda: uma travessia exposta de 30 metros, horizontal, num platozinho perfeitamente plano de 20 cm de largura. Que medo... Nessa enfiada, a luz do final do dia era perfeita, o visual da travessia com 700 metros de parede vertical em baixo era lindíssimo, e quase chorei de raiva: a bateria da minha máquina acabou nesse momento. Perdi a foto da minha vida!

Depois conseguimos escalar o segundo obstáculo, um positivo de oitavo grau, em livre e chegamos no topo do Half Dome um pouco antes do por de sol. Foi um dia, como falar, alucinante!?!

No cume encontramos um norte-americano simpático que tirou algumas fotos com a máquina dele:



Eu olhando em baixo os 750 metros do big wall:



O Cédric e em baixo os outros escaladores na ultima parada do big wall:



Dois homens felizes...



Descemos com os últimos raios de sol até a base da parede, morrendo de sede e de fome. Na base da parede escalei de novo o inicio da via para buscar o saco de comida que tínhamos deixado a 15 metros de altura para proteger dos bichos. Mas não achei nada. Procurei mais. Nada! Desescalei até o bivaque, e eu vi que num bolso da minha mochila (na realidade não é a minha, foi mal é a sua Yan...), tinha um buraco aonde tinha esquecido frutas secas. E entendi o que aconteceu: o pontinho prêto que tinha visto durante a escalada era um urso!! Um urso escalador roubou nossa comida!! Lembrei que um escalador já me tinha contado uma historia parecida, mas não tinha acreditado que um urso podia escalar 15 metros verticais de quarto grau...
Descemos finalmente, a barriga vazia, um pouco putos mas com um sorrisinho no rostro: que esperto esse urso, que bom foi esse dia!!


Próxima etapa, se o céu da Califórnia ficar mais alguns dias azul do mesmo jeito que está agora: El Capitan!!



Texto e fotos: Alexis

4 comentários:

  1. Extremamente tentador

    Um dia viajo pra esses lugares alucinantes pra ESCALAR :D

    ResponderExcluir
  2. JADIR HENRIQUE DA SILVA5 de dezembro de 2008 20:33

    MUITO BOM PODER COMPARTILHAR ESSES MOMENTOS COM VOCÊS MESMO SENDO PO FOTO E VIDEOS.DEU PARA PERCEBER O ALO GRAU DE ADRENALINA E FORÇA QUE VOCÊS SENTIRAM QUANDO ESTAVAM LA. MUUUUUITOOOOOOOOO BOMMMMMMMM.

    JADIR HENRIQUE DA SILVA
    INICIANTE NA ACADEMIA ROKAZ

    ResponderExcluir